PERGUNTAS GERAIS
Respirar e Meditar

"Vem Senhor Jesus Cristo"

Respirar e Meditar

“O homem é semelhante a um sopro; os seus dias são como a sombra que passa” – Sl. 144: 4.

Respirar e Meditar

"Senhor Jesus Cristo,tende piedade de mim"

Respirar e Meditar

Meditação Cristã é uma Tradição que remonta aos primeiros séculos do cristianismo e está enraizada nos ensinamentos e exemplo de Jesus Cristo. É também chamada de Oração do Coração, Oração Contemplativa ou Oração Pura.

PERGUNTAS GERAIS

PERGUNTAS GERAIS

PERGUNTAS GERAIS

Por que usar um mantra? Qual é o papel do mantra e como faço para escolher um?

 
A finalidade do mantra é tripla. Em primeiro lugar, ele ajuda a lidar com as distrações. A mente precisa de um ponto de foco, algo para que possa ser absorvida, de modo que as distrações possam ser ignoradas. Em segundo lugar, isso conduz a um estado de simplicidade. Terceiro, e o mais importante para nós que meditamos como cristãos, dizer o mantra é uma expressão de fé em Cristo que vive em nossos corações.

O mantra é escolhido com cuidado. É uma expressão da nossa fé. A meditação é cristã por causa da fé da pessoa que está meditando. O mantra é uma expressão disso. Embora seja aceitável escolher o seu próprio mantra, o ideal é um professor dar ao aluno um mantra. O Espírito é o mestre interior, então esse mestre interior pode inspirar a auto-escolha do mantra,

O mantra que o Pe. John Main recomendada é a palavra "Maranata". É uma palavra aramaica, a língua que Jesus falava. Significa "Vem, Senhor Jesus" ou "O Senhor vem". Como não é em nossa própria língua, não há quaisquer pensamentos ligados a ele e não incentiva-nos a pensar. É uma palavra com ritmo equilibrado. Ela se encaixa bem com o ritmo da respiração e é uma das mais antigas orações cristãs. Abba, o nome de Jesus ou qualquer frase curta da Escritura pode ser usada como um mantra. A "fórmula" que João Cassiano recomendava foi o versículo Salmo: "Ó Deus vinde em meu auxílio, Senhor, apressa-te em ajudar-me." Escolher a sua palavra é importante. Depois de ter escolhido, é importante, nesta tradição, ficar sempre com a mesma palavra. Assim, ela torna-se enraizada no coração.

 

É necessário meditar duas vezes por dia? Acho que é possível conseguir  em um período, mas a segunda é quase impossível.

Certa vez, uma pessoa se queixou ao Pe.John Main que não conseguia encontrar tempo para o segundo período de meditação. Ele esperava que o Pe.John iria se simpatizar com ele. Apesar de reconhecer que nem sempre é fácil, a resposta de Pe.John era simplesmente que, se ele realmente quisesse o suficiente, ele iria encontrar o tempo. O homem foi para casa, revisou sua agenda e encontrou tempo. Entretanto, uma vez é melhor do que nenhuma. Deve-se fazer o que é possível e o compromisso irá crescer com a prática contínua.

 

A duração do período de meditação é importante?

Sim, você tem que dar uma chance justa. Você não pode simplesmente tomar um minuto aqui e um minuto lá. É como fazer pão, você tem que deixá-lo numa quantidade suficiente de tempo para ele crescer. Vinte minutos é a quantidade mínima de tempo (para adultos). Trinta minutos é o tempo ideal, mas algumas pessoas precisam de um tempo desenvolver o período de 30 minutos duas vezes por dia. O que é importante é que você defina o seu tempo e cumpra-o. É uma boa idéia ter um sinal externo (timer, despertador,etc...) de modo que você não precise ficar olhando para o seu relógio. Também é útil meditar com os outros com bastante regularidade. 

 

A maneira de respirar é importante?

O primeiro objetivo desta forma de meditação é dizer o mantra continuamente e é isso que nós temos que aprender a fazer. Devemos respirar naturalmente. Não se concentre na sua respiração. Dê toda a atenção ao mantra. Você vai descobrir que muito naturalmente o mantra irá integrar-se com a sua respiração. Às vezes, ele é integrado com algum ritmo corporal, como o pulso ou batimentos cardíacos, mas muitas pessoas dizem o mantra junto com a sua respiração. Uma maneira simples pode ser dizer o mantra, enquanto você inspira e expira silenciosamente. Ou "ma-ra" quando você inspira e 'na-tha " quando você expira. Aprender a respirar corretamente, usando o abdômen, é altamente recomendado para a saúde e para a meditação. A respiração adequada é uma ajuda importante para o relaxamento.

Pe.John Main não se preocupava tanto com a respiração, como ele estava preocupado em manter a disciplina simples e não enfatizar muito o método, porque daí se transformaria em técnica. Quando você está muito interessado ??na técnica, pode esquecer o propósito da meditação.

 

A postura é importante quando meditamos?

Sim. A regra mais importante da postura é manter a coluna ereta. Se você usar uma cadeira, encontre uma na altura certa que dê a sua volta o tipo de apoio de que necessita. Se a coluna é mantida ereta e relaxada é possível ficar alerta. Postura curvada leva à sonolência. O ideal é a postura de lótus, pois ela mantém a coluna automaticamente em sua posição natural ereta. Isso não é possível para a maioria de nós, portanto, encontrar uma boa postura de pernas cruzadas no chão, pode ser tão bom quanto. No entanto, a coisa mais importante é que você esteja ereto e alerta sem estar com dor ou algum desconforto. A prática física como ioga pode ajudar muito com a postura e respiração. Por a meditação envolver a pessoa inteira (corpo, alma e espírito), o que fazemos com o nosso corpo durante a meditação é de grande importância e aprender a sentar-se bem é um ingrediente vital para aprender a entrar mais profundamente no silêncio, quietude e simplicidade da meditação .

 

 

Gosto de meditar, mas é uma coisa muito particular para mim. Por que eu deveria meditar com um grupo? É uma distração para mim. Por que eu deveria ir a um grupo?

É importante a meditar por conta própria e na maioria das vezes essa é a situação. No entanto, muitas pessoas têm dificuldade em se manterem no caminho da meditação regularmente por conta própria, especialmente em tempos difíceis. John Main acreditava na importância da comunidade criada pela meditação. O silêncio de um grupo muitas vezes pode ser mais profundo do que quando estamos sozinhos. O grupo dá apoio e encoraja as pessoas a continuar a praticar por conta própria. Pessoas que meditam juntas são ligadas num nível mais profundo, mesmo quando não sabem muito um sobre o outro. Assim, os grupos têm todas estas funções, mas há algumas pessoas que praticam regularmente por conta própria, sem o apoio de um grupo. Esses também sabem que sempre que meditam, nunca estão sozinhos, mas estão unidos a todos os praticantes de meditação ao redor do mundo.

 

Como isso é diferente de outras formas de meditação, como a Meditação Transcendental, ou oração? Como é que a meditação nos ajudar a se relacionar com as outras pessoas?

A resposta a ambas as perguntas é "unidade." Primeiro de tudo, é importante ver o que a meditação, na tradição cristã que estamos falando, tem em comum com outras tradições, bem como o que ela tem de diferente. A unidade na meditação é mais importante. O que torna a meditação diferente como uma prática espiritual é que ela não é praticada como uma técnica. Há muita diferença entre a meditação  como uma técnica e como uma disciplina. Estamos tecnologicamente condicionados e por isso achamos que é uma grande técnica para se descobrir. Nós pensamos: "Eu vou usar isso e ver o que consigo, melhoro o meu desempenho, e eu posso deixá-la caso não me ajude." No entanto, como uma disciplina ela traz uma dimensão de fé e perseverança para meditação . É por isso que é importante que a meditação seja ensinada como uma disciplina espiritual, em vez de uma técnica. Porque você provavelmente conseguirá os melhores resultados a partir dela como uma disciplina espiritual, simplesmente porque você estará mais disposto a perseverar. Com a fé como seu motivo há mais razão para perseverar.

O que faz a meditação cristã é a sua fé cristã. Não é a técnica que faz com que seja cristã, budista ou hindu. É a fé que você traz para ela. É por isso que é uma maneira maravilhosa para que cada pessoa, seja qual for a sua fé, cumpra sua jornada espiritual e verifique pessoalmente as verdades da sua fé e, ao mesmo tempo, compartilhe essa experiência profundamente espiritual com pessoas de outras religiões. O erro terrível  diz:  "Bem, eu acredito na minha fé, e isso significa que alguma outra fé deva estar errada." Logicamente, intelectualmente é onde ficamos presos. Ao nível do espírito experimentamos a unidade e a meditação leva a unidade. Isto torna-se uma realidade bastante perceptível quando você medita em um grupo. Você não se comunica através da linguagem ou através do corpo quando medita. Mas há uma comunicação mais profunda nesse trabalho. 

 

Quando medito eu percebo uma sensação de formigamento em minhas mãos, isso é certo? (coração batendo, sentimentos de calor ou frio ou qualquer outra sensação física)

Quando estamos meditando a integração e harmonização da nossa pessoa como um todo está gradualmente tomando lugar. Isto é positivo. Às vezes, ela assume a forma de várias sensações físicas. Estes não são de qualquer significado espiritual. Eles simplesmente precisam ser ignorados, Estas sensações são relacionadas com a circulação e o fluxo de energia através do nosso sistema. O relaxamento criado pela meditação permite que a energia em nós a flua mais livremente e isso pode causar sensações físicas.

 

Quando medito, vejo cores, o que é muito agradável. Devo aproveitar?

As coisas importantes a se lembrar é que nenhuma das experiências que podemos ter ao longo do caminho são o objetivo da meditação. Elas fazem parte do processo de integração. A coisa mais importante é não se apegar a elas ou desejá-las, mas apenas permitir-lhes ir e vir e continuar a prestar atenção ao seu mantra.

 

Tenho meditado por algum tempo, mas parece estar me deixando pior! Muitas vezes eu experimento um monte de raiva quando eu medito. Em outros momentos, me sinto muito triste e choro muito. O que está acontecendo?

Quando meditamos, temos de passar por todas as camadas de nossa consciência, à medida que avançamos em direção a Deus na profundidade do nosso ser. Não há outro caminho para a profundidade da união com Deus  a não ser por meio das camadas de nosso ser. Na verdade o que você experimenta é a cura de suas emoções. Você não pode se sentir bem quando está enfrentando isso, mas é a liberação de velhas feridas, tristeza etc Mais uma vez o importante é tentar apenas  liberar isso,  enquanto você delicadamente tenta manter seu foco em seu mantra. Se às vezes a dor ou outras emoções se tornam intoleráveis, então você pode procurar alguma ajuda ou aconselhamento fora do tempo de meditação. Independente de qualquer outra ajuda que você você precise em momentos como este, continue meditando. A combinação de meditação e outras formas de trabalho de cura pode ser muito poderosa.

 

Às vezes na meditação, estou dizendo o mantra e me sinto em paz,   nesse momento o que me parece a coisa mais apropriada a fazer é parar de dizer o mantra e ficar em paz. Se eu continuar a dizer o mantra nesse momento, estou interferindo esse espaço aberto de paz. Eu estou forçando minha cabeça para se manter no pensamento. Qual é o seu ensinamento sobre isso?

John Main ensinou que, em um certo ponto, talvez depois de muitos anos, o mantra nos levaria ao completo silêncio, talvez apenas por momentos muito breves, durante o período de meditação. Mas esta é uma experiência que não devemos antecipar, nem desejar. O que significa um completo silêncio? Você não está em completo silêncio, se você é capaz de dizer "Eu estou silencioso" ou "Eu estou descansando" ou "Eu estou gostando disso". Então você já está pensando. Esta é uma parte muito sutil, mas essencial do ensinamento.

Dizer o mantra continuamente leva a uma mudança na maneira como você diz o mantra. Ao longo das semanas, meses, anos você diz o mantra com menos esforço, menos força, torna-se mais fiel, mas também mais suave. John Main ensinou que primeiramente dizemos o mantra na cabeça (mentalmente), com esforço, então podemos ouvi-lo soar no coração com maior facilidade e maior auto-aceitação das distrações e então ouvimos o mantra com todo o coração a atenção. Quando visto dessa maneira, não dizemos o mantra pensando, mas sim escutando. O quarto estágio seria o silêncio, que é algo que não podemos prever.

(Esta é uma pergunta muito importante. Qualquer líder de grupo ou alguém ensina meditação precisa ouvir este aspecto do ensino, que é totalmente explicado nos livros Palavra que leva ao silêncio e o Momento de Cristo. Eles devem testá-lo comparando com sua própria experiência e então estarão prontos para expressá-lo com confiança em seu próprio grupo)


Qual é a relação entre meditação e ação social?


É uma conseqüência de nossa oração percebermos que devemos estar envolvidos no mundo. Cada ação que fazemos deve ser uma conseqüência de nossa oração. Na meditação, estamos purificando a nossa vida interior, a fim de ir em direção aos outros. A pessoa deve fluir a partir do outro.



O fim da nossa oração é a comunhão com o corpo de Cristo e para estar em união com o Corpo de Cristo temos que estar com os nossos irmãos e irmãs em todo o mundo, porque é aí que o Cristo ressuscitado está presente. Se a oração não ajudar nesse alcance, então não é verdadeira oração. Amar a Deus e amar ao próximo são as verdades essenciais e toda a oração deve nos levar a essa comunidade que é o mundo. Não é apenas pensar sobre isso, mas o que podemos fazer, a única coisa que Cristo fez, uma vez que estamos agora em união com a presença libertadora de Cristo no mundo.


Temos de ter cuidado para não pensar que a nossa meditação é uma ocupação passiva. É um ato puro, sentar-se, praticar a meditação, e gastar esse tempo. Tudo isso inclui estar ativo e está relacionado com a atenção e não com a não-atenção. Se realmente meditarmos, tudo o que fazemos em na nossa vida, nós fazemos de forma diferente, porque meditamos. Fazemos isso com mais atenção e em um nível mais profundo - com mais sensibilidade e compaixão. Não significa, necessariamente, que todos nós somos chamados a sair e fazer certas coisas que estão sob o guarda-chuva da justiça social. Todo mundo serve a humanidade de diversas maneiras. 

Se somos pessoas ativas e sempre seremos pessoas ativas, por exemplo, em questões de justiça social, na paróquia, na política, uma vez que começamos a meditar, descobrimos que somos chamados a ser muito exigentes em relação ao que fazemos e como gastamos nosso tempo. A meditação também pode levar a uma compreensão mais profunda do por que fazemos as escolhas que fazemos em relação ao servir ao outro.

A meditação muda toda a nossa atitude para a ação. Os frutos da meditação começam a aparecer conforme você vive sua vida. Você se torna mais compassivo, mais amoroso e gentil. Você se tornará menos possessivo sobre seu trabalho e verá que é Deus que está trabalhando através de você.


Às vezes, quando você está de férias, os membros da família podem estar todos juntos no mesmo espaço e pode ser difícil encontrar tempo e silêncio para meditação. Você tem alguma sugestão sobre como lidar com essa situação?


Quantos de nós se sentem intimidados ou relutantes em dizer, enquanto estamos num ambiente social ou em férias com alguém, que temos que nos retirar para meditar. Como você lida com isso? Você se sente livre o suficiente para dizer que essa é a sua maneira e para eles aceitarem que você não está sendo anti-social, que esta é a sua disciplina e você precisa do tempo para meditar?

Temos que fazer o que podemos e não o que não podemos. A meditação não deve ser de modo algum outra razão para se sentir culpado! Embora reforçasse fortemente a importância da meditação regular, John Main, era salientava igualmente,  a importância de não deixar que a meditação se tornasse outra coisa para se sentir culpado.



PERGUNTAS FREQUENTES DE UMA AUDIÊNCIA CATÓLICA

 

A Igreja aprova a meditação?

Sim. Nos documentos do Concílio Vaticano II fica claro que os cristãos são chamados a rezar não só com os outros, mas para "entrar em seus quartos para orar ao Pai em segredo" (Mt 6, 6) e vai além ao citar São Paulo em sua exortação para que os cristãos orem sem cessar (1 Ts 5, 17). A prática da meditação cristã é fiel à antiga tradição da Igreja. O Conselho incentiva o aprofundamento de oração na contemplação e mais tarde os documentos salientam a importância de recuperar a tradição cristã contemplativa que foi perdida ou negligenciada.

Papa João Paulo II, em Novembro de 1992, pregava que "Qualquer método de oração é válida na medida em que se inspira em Cristo e leva a Cristo, que é o Caminho, a Verdade e a Vida." Aquele que medita entra na corrente de Jesus na "oração que sempre flui para o Pai no poder e no amor do Espírito Santo. Outras denominações cristãs de hoje estão cada vez mais ansiosas para recuperar a tradição universal mística do Cristianismo. A Comunidade Mundial de Meditação Cristã tem sido reconhecido canonicamente pela Igreja Católica.


 

A meditação cristã está de acordo com o ensino geral da Igreja?

Claro. A oração é sempre vista pela Igreja como fonte de sabedoria e compaixão na vida cristã.
 
  • É uma peregrinação na fé de estar totalmente atento a presença de Deus. Trata-se de deixar a "Eu" para trás, indo além de nós mesmos em direção a Deus, que está sempre além de nós e ainda mais perto de nós do que nós a nós mesmos.
  • É sobre estar em oração, que é sempre um dom de Deus, não uma técnica.
  • Isso leva aqueles que meditam a olhar para o fruto da oração no amor.


("A oração cristã contemplativa sempre leva ao amor ao próximo, à ação e à aceitação das provações e justamente por isso ela nos leva para perto de Deus." (De A Carta aos Bispos da Igreja Católica sobre alguns aspectos da cristã Meditação, 1989, p18)

 

Como ela se relaciona à Missa / Sacramentos?

A vida espiritual, como o Concílio Vaticano II explicou, não se limita à participação na liturgia. Nesse sentido, a meditação cristã forma parte da totalidade da vida espiritual. A meditação claramente não substitui outras formas de oração, mas, fazendo-a mais conscientes da centralidade da oração de Jesus, enriquece todas as outras formas.

 

Qual a relação com a mente e a razão?

A meditação não é anti-racional. A clareza e perspicácia da razão e da imaginação são reforçadas pela prática da meditação. (Veja a carta do Papa João Paulo II sobre "Fé e Razão").

Na meditação cristã a mente está alerta, mas não busca qualquer outra coisa além de estar parado e em silêncio na presença de Deus. Lembre-se o que salmista diz: "Aquietai-vos e percebei que eu sou Deus." (Sl 46:10)
 

 

Onde se diz que Jesus meditava com um mantra?

Isso não é dito. Jesus não ensinou 'métodos' de oração, mas os seus ensinamentos sobre a oração nos direciona para à condição de interioridade, confiança e simplicidade. Nós sabemos dos ensinamentos de Jesus sobre a oração:"Nas vossas orações, não multipliqueis as palavras, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras. Não os imiteis, porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes que vós lho peçais."(Mateus 6:7-8)
"Eis como deveis rezar: PAI NOSSO, que estais no céu, santificado seja o vosso nome"  (Mateus 6:9)

Na meditação cristã, há um reconhecimento implícito de que o Pai sabe do que precisamos antes de pedirmos. 

 

A meditação é a mesma coisa que contemplação?

Agora e depois vamos encontrar estas palavras com significados diferentes. No entanto, nota-se que na introdução geral do livro "A Palavra que leva ao silêncio",  Pe. John Main escolheu utilizar o termo meditação como sinônimo de termos como contemplação, oração contemplativa, oração meditativa e assim por diante. Em seguida, ele acrescenta: "O contexto essencial da meditação pode ser encontrado nas relações fundamentais de nossas vidas, a relação que temos como criaturas com Deus, nosso Criador." Meditação pode ser considerada como o trabalho que fazemos na fé e no amor para receber ou entrar plenamente no estado de contemplação já presente em nós através da presença do Espírito Santo.

 

PERGUNTAS FREQUENTES DE OUTRAS TRADIÇÕES CRISTÃS

 

Ela não é Budista?

Muito erroneamente, a meditação pode ser facilmente identificada como uma forma de preservar apenas as tradições orientais, especialmente o Budismo. Por meio dos ensinamentos do Pe. John Main e outros mestres do século 20 viemos apreciar novamente o lugar de meditação na tradição cristã.

 


O que faz com que a meditação seja cristã?

É a nossa fé e amor que faz com que a meditação seja cristã. Há também aspectos históricos, teológicos, bíblicos e comunitários que levam para a identidade cristã da meditação.

Com referência a São Paulo, Rom 8:26, o Espírito está intercedendo por nós (no nosso íntimo além das palavras, além dos pensamentos, além de imagens) com suspiros profundos demais para palavras. O Espírito está conosco em nossa oração, rezando dentro de nós, e como Pe. John Main nos diz na Palavra que leva ao silêncio: "Oração então, é a vida do Espírito de Jesus dentro do nosso coração humano."

 

Onde é mencionada nas Escrituras?

A Escritura revela a inspiração e propósito de toda oração. Um estudo da história e da tradição da Igreja primitiva irá mostrar que esta forma de oração era realmente familiar para os cristãos judeus deste período. O ensinamento de Jesus sobre a oração (Mt 5-7) e suas parábolas também definem os critérios para toda a oração cristã e por onde a meditação cristã pode ser mais profundamente compreendida.

Recordamos que João Cassiano nos leva de volta para as bem-aventuranças (Mt 5:1-11) decorrentes da "pobreza do verso". Ele diz que essa pobreza vai trazer-nos com facilidade para a primeira das bem-aventuranças: "Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus".  Além disso, o objetivo que Cassiano propõe ao longo de suas Conferências é a pureza de coração: "Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus. "

 

Não é uma prática egoísta?

Não, é exatamente o oposto. É tudo sobre deixar o "Eu" para trás indo em direção ao Outro. John Main diz "na meditação tiramos o holofote da consciência de nós mesmos."

 

Se eu me concentrar no mantra estou bloqueando o Espírito Santo?

Meditação nos leva a um estado de coração aberto para a receptividade do Espírito de Jesus que habita em nossos corações. O mantra nos mantém abertos ao Espírito na pobreza e na simplicidade.

 

É a mesma prática que Oração Centrante?

Há uma harmonia essencial nessas duas abordagens para a meditação. Oração Centrante coloca uma ênfase diferente sobre o mantra.

 

PERGUNTAS FREQUENTES DE AUDIÊNCIAS SECULARES

 

Por que temos que trazer a religião para a meditação?

A meditação purifica a religião e restaura-a para o seu verdadeiro propósito do ensino e inspira a unidade espiritual da humanidade.

Eu preciso de fé para meditar?

Em primeiro lugar, nós não podemos estar conscientes do que nos leva a meditar. Nós podemos sentir que temos pouca fé ou não temos fé. A fidelidade é necessária para se manter no caminho da meditação.
 

Quais são os benefícios físicos?

Evidências médicas mostram, por exemplo, que a meditação reduz a pressão arterial e melhora o sistema imunológico. Mas a maior importância da meditação é aumentar o sentido de nossa integridade humana na harmonia do corpo, mente e espírito.



Fonte: http://www.cominghome.org.au/

Últimas Notícias

Newsletter: